A ESSÊNCIA POR TRÁS DAS NOSSAS MÁSCARAS

AdobeStock 217357982

A ESSÊNCIA POR TRÁS DAS NOSSAS MÁSCARAS

Temos uma essência linda, livre, doida pra voar… é onde mora nosso verdadeiro potencial, nossa semente divina. Nos desconectamos dela à medida que vamos interpretando nossas experiências e nossas feridas vão aparecendo…


Eu interpreto o mundo a partir das minhas crenças, das minhas feridas. E cresço a partir desse referencial.

E vamos estruturando nossas máscaras comportamentais, chamada de personalidade, para nos proteger de olharmos nossas dores. Dentro de nossa mente ingênua: “somos nossas máscaras”. Mas não é bem assim… somos nossa essência, que ficou lá quando éramos bem pequeninos…


As máscaras são nosso jeito viciado de se comportar. Mas elas não são ruins. Elas são necessárias: nos protegem, nos deixam sobreviver, nos trouxeram até aqui, precisamos até agradecê-las. Elas que nos ajudaram a nos desenvolvermos e a conquistarmos tantas coisas na vida, e a seguirmos em frente. Sem elas, provavelmente, seria insuportável seguir, de tanta dor. Seguimos. Crescemos. Chegamos à vida adulta. E passamos a reagir a tantos gatilhos, que isso começa a pesar…


As dores, lá escondidas, começam a querer aparecer… e é através do olhar carinhoso e corajoso para estas dores, que poderemos acessar novamente nossa essência. Creio essa ser a busca de vida do ser humano, resgatar sua essência, sua luz maior.


Toda sombra esconde uma luz. Toda dor esconde uma essência. Só precisamos saber colocar a lanterna correta, pra nossa dor poder se transformar em nossa maior força.


Sim: colocar lanterna nas sombras, para podermos ver novamente a luz.


Vou usar uma metáfora para trazer mais clareza: sabe um machucado que está lá, doendo, mas colocamos “bandAid?”. A nossa máscara é o próprio “bandAid”, para o machucado não doer mais, não sentirmos mais a dor… mas ele está lá, e vem à tona quando alguém “tromba” nele, ele ainda machuca muito. A dor existe. O bandAid que está escondendo. E chega um momento da vida que é o próprio “bandAid” que começa a doer… que nos aprisiona, nos incomoda, queremos nos libertar dele. Aí precisamos tirar o “bandAid”, olhar a ferida, entender o melhor tratamento e remédio e, de fato, poder curá-la. Só assim estaremos REALMENTE LIVRES para, nas trombadas da vida, esse machucado não doer mais. As cicatrizes estarão sempre lá, mas, com o tempo e o processo, passará a não doer mais…


Não tem como fugir, melhor encarar com mais naturalidade: todos temos feridas da criança interior, criamos as máscaras de proteção. Mas podemos olhar “cara a cara” e não reforçá-las, viver o desconforto de “testar” novos formatos, de flexibilizar nossa estrutura de defesa. Poder me questionar, não reforçar as máscaras do meu filho. Cuidar das minhas feridas, para que ele possa cuidar apenas das dele no futuro, e não das minhas, que posso projetar…


Tem infinitas possibilidades quando estamos com a lanterna nas mãos. Basta querer direcionar o FOCO dela. Basta querer resgatar a luz, que a sombra escondeu. Querer reencontrar sua essência e, esse é o maior e mais profundo processo de busca da nossa existência!


Deixo aqui meu abraço, de uma pessoa que tem olhado com muita verdade para suas feridas (eu mesma!) e as acolhido diariamente, para poder viver mais livre, mais próxima da essência. Mais consciente das reações, com mais clareza de quando quero colocar as máscaras e quando preciso tirá-las. Acolhendo as minhas dores. Cuidando do que é meu. Não jogando pro outro as minhas feridas.


Viva mais consciente. Escolha por VOCÊ! Somente você pode escolher cuidar de você. Só assim poderá entregar o melhor para o outro, porque só entregamos o que temos no nosso estoque.


E só posso te ajudar no caminho que eu já percorri. Vem comigo, vou adorar te dar as mãos!


Tem um grupo online lindo chamado “Resgate da minha criança interior”, dá uma olhada aqui no site nos PRODUTOS DIGITAIS. Vem resgatar sua essência, que é sua luz, seu potencial! Você tem toda uma vida para usufruir dela!

Precisa de ajuda?